Box Trilogia Sprawl + marcador
Box Trilogia Sprawl + marcador

Box Trilogia Sprawl + marcador

Uma das mais importantes obras da cultura pop e clássico da ficção científica, o box Sprawl, de William Gibson, reunine Neuromancer, Mona Lisa Over Drive e Count Zero. O romance serviu de inspiração para as irmãs Wachowski na produção de... Ver mais >
Uma das mais importantes obras da cultura pop e clássico da ficção científica, o box Sprawl, de William Gibson, reunine Neuromancer, Mona Lisa Over Drive e Count Zero. O romance serviu de inspiração para as irmãs Wachowski na produção de Matrix, filme que revolucionou a história do cinema.
< Ver menos
R$ 219,90
em 3x R$ 73,30 sem juros

Calcule o frete




LIVROS DESSA SÉRIE

6 Produtos
Neuromancer

Neuromancer

William Gibson
R$ 139,90
em 3x R$ 46,63 sem juros
Neuromancer

Neuromancer

William Gibson
R$ 69,90
em 3x R$ 23,30 sem juros
Monalisa Overdrive

Monalisa Overdrive

William Gibson
R$ 79,90
em 3x R$ 26,63 sem juros
Count Zero

Count Zero

William Gibson
R$ 79,90
em 3x R$ 26,63 sem juros
Box Trilogia Sprawl

Box Trilogia Sprawl

William Gibson
R$ 219,90
em 3x R$ 73,30 sem juros
Esgotado
Box Trilogia Sprawl + marcador

Box Trilogia Sprawl + marcador

William Gibson
R$ 219,90
em 3x R$ 73,30 sem juros

SINOPSE

O box da Trilogia do Sprawl é composto pelos livros Neuromancer, Count Zero e Mona Lisa Overdrive, escritos por William Gibson.

Percussoras do cyberpunk, as três obras se passam na mesma linha do tempo e são ligadas sutilmente por personagens e temas que aparecem em toda a trilogia. Foi nesta trilogia que Gibson apresentou os conceitos do que conhecemos atualmente como internet e difundiu o termo cyberspace. Suas ideias serviram de referência para as irmãs Wachowski criarem a trilogia de filmes Matrix, que trouxe ainda mais popularidade para o universo do autor.

NEUROMANCER

No universo de Neuromancer, as pessoas se conectam a uma espécie de alucinação coletiva digital, acessada via computadores. O mundo é dominado por corporações e a tecnologia está presente em todos os lugares, até mesmo nos seres humanos, que possuem implantes para o desenvolvimento de certas habilidades. O autor demonstra grande talento ao criar um universo que se aproxima muito da realidade contemporânea. Parte dessa ambientação é realizada também pela utilização de marcas e referências famosas do mundo pop.

COUNT ZERO

É nesse universo frenético e superconectado que duas poderosas corporações multinacionais, Maas Biolabs e Hosaka, travam uma guerra pelo controle de uma nova tecnologia, o biochip. Para isso utilizam todos os métodos possíveis de espionagem desde Hackers até violentos mercenários.

Em meio a esse caos futurista, Bobby Newmark, um aspirante a cowboy, acaba entrando de gaiato nessa história. E ele estaria morto, se não fosse a intervenção salvadora de uma misteriosa garota feita de luz. Por causa disso, Bobby – agora, Count Zero- se torna uma pessoa valiosa e é ai que a caçada começa.

MONA LISA OVERDRIVE

Mona Lisa Overdrive mantém o mesmo estilo cyberpunk. Porém, agora a utilização do ciberespaço evoluiu de tal modo que as inteligências artificiais atingiram a autoconsciência. Libertas do controle humano, elas povoam a Matrix e assombram os usuários.

Em uma história com altas doses de ação e aventura , o romance leva ao leitor novos personagens, como: Mona, uma jovem prostituta a quem é oferecida uma grande oportunidade, Angie, uma popstar do stim, que possui a habilidade de conectar-se ao ciberespaço sem auxílio de nenhum dispositivo e Kumiko, uma jovem que teve de vir do Japão para se safar de uma guerra entre gangues e encontra apoio em uma experiente samurai das ruas. Essa história conclui os eventos iniciados em Neuromancer, fechando assim a trilogia ícone do cyberpunk.

DETALHES DO PRODUTO

Tradução: Fábio Fernandes, Carlos Irineu, Carlos Angelo
Capa:
Pedro Inoue
Ilustração: Josan Gonzalez
Acabamento: Brochura
Páginas:
936
Dimensões: 14x21x6cm

William Gibson

William Gibson nasceu nos Estados Unidos, em 1948, e mudou-se para o Canadá em 1972. Em meados da década de 1980, criou, junto a escritores como Bruce Sterling e John Shirley, o gênero ficcional chamado de cyberpunk, que une informática e inquietações histórico-filosóficas com tramas pop cheias de ação e violência.